Siga-nos em:

facebook.png
twitter.png
ECP LOGO 2 colour.png
naturalGis.png
Digiterra.png

Parcerias

Untitled-8.png
ACR.png
poligono.png

Mecenas

Patrocínios

Apoios

Sep.png
Pedro.png
Trimble.png
exercito.png
Lantastic.png
camara.png
marco.png

Proteção de Dados

Proteção de Cookies

Termos e Condições

Política de Privacidade

© 2019 by SHN - Sociedade de História Natural

Todos os direitos reservados

Dinossauros de Portugal

A Sociedade de História Natural tem ao seu cuidado uma das maiores colecções paleontológicas de vertebrados do Jurássico Superior de Portugal, fruto de uma década de intervenções na região Oeste, em particular no Concelho de Torres Vedras.

 

O registo de restos directos de dinossauros de Portugal tem mostrado, nos últimos anos, que pode ser muito relevante para o conhecimento de distintos aspectos da historia evolutiva do grupo e, dada a posição da Península Ibérica, para a interpretação da distribuição de alguns dos seus componentes. O registo fóssil português conta com representantes de quase todos os grandes grupos de dinossauros (ornitópodes, tireóforos, terópodes e saurópodes) que são abundantes em alguns níveis sedimentares da Bacia Lusitana, sobretudo no Jurássico Superior (Kimmeridgiano-Titoniano) e que estão bem representados na Colecção de Referência da Sociedade de História Natural. As zonas de Torres Vedras, Batalha, Pombal e Lourinhã têm registado nos últimos anos várias ocorrências. O conjunto de ornitisquios está composto por tireóforos, dos quais que se identificaram restos de três estegossaurios (Dacentrurus, Miragaia e Stegosaurus, em Torres Vedras, Batalha e Lourinhã) e um anquilossaurio com atribuição segura: Dracopelta.  Dracopelta é um dos anquilossaurios mais antigos que se conhecem e é o único descrito até ao momento no Jurássico Superior da Península Ibérica. O seu registo restringe-se a um único exemplar procedente da Formação do Freixial (Titoniano), da Praia do Sul (Torres Vedras).

 

Neste contexto geológico ocorrem ainda ornitópodes, como formas próximas aos tradicionais hipsilofodontideos e driosaurideos, e também mais frequentes camptosaurideos (Draconyx eCamptosaurus).

 

A ocorrência de saurópodes está fundamentalmente composta por formas de eusauropodes basais (Lourinhasaurus), diplocodocoideos (Dinheirosaurus) e titanosauriformes (Lusotitan), representando formas endémicas de Portugal. Mas também se reconheceu recentemente a presença de um saurópode de distribuição ibérica, como Turiasarus, ficando ficando por estabelecer a presença de algumas formas compartilhadas com o registo fóssil de dinossauros da América do Norte, como Camarasaurus. O conjunto de géneros de terópodes (carnívoros) portugueses está constituído pelo ceratossaurio Ceratosaurus, o espinossauroide Torvosaurus, pelos carnossaurios Lourinhanosaurus e Allosaurus, e pelo tiranossauroide Aviatyrannis (Leiria).

 

A presença de formas estreitamente relacionadas com faunas sincrónicas no registo norte-americano, em simultâneo com formas endémicas e outras partilhadas pelo registo europeu, situam a Península Ibérica como um interessante cenário biogeográfico, cuja interpretação, apesar do importante aumento de informação que se tem produzido nos últimos anos, está ainda muito dependente da interpretação das relações de parentesco de muitos grupos representados.Os terópodes Lourinhanosaurus e Aviatyrannis são, de momento, exclusivos da Península Ibérica e Ceratosaurus e Torvosaurus seriam formas partilhadas (pelo menos a nível genérico) com o registo sincrónico de América do Norte. A ocorrência de Allosaurus em Portugal é muito mais conclusiva. Surgindo inicialmente na jazida de Andrés, Pombal, um novo exemplar de Allosaurus foi descoberto em Torres Vedras, nas arribas da Praia de Cambelas (SHN-0019). A descrição destes exemplares constitui a primeira referência robusta de um allossaurídeo na Europa, do género fora da América do Norte e de uma espécie de dinossauro partilhada entre a Europa e os EUA. Os restos de Allosaurus conhecem-se bem nas camadas sincrónicas da Formação Morrison nos Estados Unidos, mas o achado dos exemplares portugueses sugere uma distribuição mais ampla da espécie ao largo da Laurasia. Esta presença de faunas partilhadas levam a supor a existência de uma ligação terrestre, pontualmente emersa ao largo do proto - Atlântico Norte, e que permitiria o intercâmbio de dinossauros entre os dois continentes.